ENTREVISTA “AQUELES QUE SE ABRIRAM PARA INOVAR SAÍRAM NA FRENTE”, ressalta o presidente da CDL-CG

Desde de junho do ano passado  na presidência da Câmara de Dirigentes Lojistas de Campina Grande –CDL-, o empresário CARLOS JOSÉ BOTELHO, é o entrevistado deste domingo da série CAMPINA QUE FAZ, coordenada pelo BOA NOTÍCIA PB.

CARLOS BOTELHO ratifica estar em perfeita sintonia com os “novos ventos” pós-pandemia que irão determinar, confirgurar e exigir perfil inovador nas relações de empreendimento e trabalho da atividade comercial no planeta.

O empresário fala sobre a crise enfrentada pelo comércio de CG nesses 11 meses de pandemia da Covid-19, dos desafios e das estratégias para a  superação desse delicado momento.

Ele critica o poder público municipal pelas poucas ações de “socorro” ao comércio local e adverte a sua categoria que é preciso inovar.

Botelho revela ações da CDL que darão suporte aos empreendedores para a inserção segura do seu empreendimento no mercado online, home off, no e-comerce.

Confira a entrevista:

BN – Como tem se comportado o comércio de CG, durante esses quase 11 meses de pandemia?

CARLOS BOTELHO O ano de 2020 realmente não foi fácil para quem depende do comércio. Seja lojista, colaborador ou trabalhador informal, todos foram impactados de alguma forma pela crise iniciada com o surgimento da pandemia do coronavírus.  Diante de tudo o que temos enfrentado ao longo desses últimos meses percebemos que aqueles que se abriram para inovar saíram na frente e estão conseguindo ultrapassar essa fase com menos dificuldade. Para isso, a CDL tem buscado acompanhar de perto todas as decisões que interessam diretamente ao comércio de Campina Grande, agindo sempre em defesa do setor.

 BN – Qual a atividade ou setor do comércio mais afetado com a crise da Covid-19?

CARLOS BOTELHO –Todas as áreas foram fortemente impactadas, porém, um dos setores que ainda sofre com a escassez de produtos é o de móveis e eletrodomésticos, pois, as fábricas desses produtos passaram longo tempo com as atividades interrompidas e isso acabou prejudicando os estoques das lojas não só de Campina Grande, mas do varejo nacional.

BN – Qual o número de empreendimentos fechados na cidade nesse período?

CARLOS BOTELHO – Não temos como afirmar exatamente o número de operações encerradas em razão da pandemia, mas, segundo a base de informações do DataSebrae, atualmente temos em Campina Grande aproximadamente 12 mil empreendimentos vulneráveis ao encerramento das suas atividades ou outras consequências surgidas a partir da Covid-19, sendo 7.078 Micro Empreendedores Individuais (MEI) e 4.112 Microempresas (ME).

BN – O poder público municipal, estadual ou federal “socorreu” os comerciantes que estão ainda sendo afetado pela crise?

CARLOS BOTELHO – Infelizmente vimos poucas ações por parte dos poderes públicos para salvar as empresas. O comércio de Campina Grande permaneceu fechado por mais de oitenta dias e mesmo com todos os prejuízos acumulados, os lojistas permaneceram pagando o ICMS normalmente, sob o risco de sofrer com penalidades. A carga tributária que o empresário é obrigado a arcar é desestimulante e alguns pontos poderiam ter sido ajustados especialmente pelo governo estadual, mas infelizmente não pudemos contar com esse “socorro”.

BN – Com o fim do auxilio emergencial a situação no comércio local tende a se agravar ainda mais?

CARLOS BOTELHO – Nos primeiros meses da pandemia, as vendas do comércio campinense chegaram a cair mais de 60%, em abril e maio. A partir de então, a injeção de recursos do auxílio emergencial, a adaptação do consumidor e lojistas ao e-commerce e, mais à frente, a flexibilização da quarentena, tiveram impacto positivo no consumo. Segundo pesquisa da FCDL São Paulo, o varejo nacional teria perdas 9% maiores se o auxílio não tivesse sido pago durante todo esse período. O auxílio emergencial teve sua parcela de importância, mas hoje, o que comemoramos é a volta do emprego que tem sido positiva em Campina Grande.

BN– Não teremos o tradicional carnaval da paz e provavelmente também será suspenso, outra vez, o Maior São João Mundo, como a CDL avalia esse cenário nebuloso?

CARLOS BOTELHO – Infelizmente é uma situação jamais imaginada em outros períodos antes dessa pandemia. A cidade toda perde com a não realização de eventos que já fazem parte do nosso calendário e que são responsáveis por levar o nome de Campina Grande para outras regiões. O setor de bares, restaurantes e hospedagem será fortemente impactado pela ausência de eventos, mas o comércio também sofre com isso. Nos resta aguardar que as vacinas que já começaram a ser aplicadas façam o efeito esperado e que muito em breve a população volte a ter uma vida normal e que o nome de Campina Grande volte a ser projetado para fora como palco de grandes eventos.

BN– Como vê o crescimento, a passos largos, da atividade home off?

CARLOS BOTELHO – Mais de 50% das pessoas que trabalham no comércio cumprem funções administrativas, que podem ser realizadas do domicílio e que não implicam no funcionamento das operações. Não vejo problema algum desde que o colaborador apresente os resultados esperados pela empresa que opta pela forma de trabalho. No meu ponto de vista, o grande desafio é a comunicação com os colegas. Aquela conversa rápida para tirar uma dúvida ou ajustar um projeto fica mais difícil.

BN– Essa realidade deve ser interpretada como sinal de que o comércio online passa a ser uma opção inadiável e urgente no  – mundo pós-pandemia?

CARLOS BOTELHO – Não necessariamente. Existem empresas que adotaram o sistema home office, mas não atuam diretamente com o comércio online. Como afirmei antes, metade das pessoas que trabalham em casa exercem funções administrativas.

BN – Lideranças empresariais da cidade já sustentam o discurso que “o comerciante que não migrar para o e-commerce está fadado a cerrar as portas do seu empreendimento”. O Sr. concorda com a assertiva?

CARLOS BOTELHO – Não digo que ele deve migrar imediatamente para o e-commerce, pois requer um planejamento a longo prazo. No entanto, se o empresário não se render as plataformas digitais e não entrar no mercado de vendas online ele terá grandes perdas. Um termo que está sendo bastante usado e vem como tendência do varejo 2021 é o “FIGITAL” que nada mais é que a união entre o comércio físico e o comércio digital. Sabendo atuar das duas formas, o empresário conseguirá se manter no mercado.

BN – O comércio de Campina está preparado para, já neste instante, entrar 100% no mundo online?

CARLOS BOTELHO – Ainda há muito o que se discutir sobre este tema. Muitos empresários que, antes da pandemia, não davam muita importância para as vendas online precisaram correr atrás do prejuízo e lançarem-se nesse mercado que, para alguns, ainda é novidade. Estar numa plataforma digital, atuando com vendas através de instagram ou whatsapp não significa que o comércio da cidade está 100% online. Ainda precisamos de muitos estudos e de uma plataforma de vendas online totalmente nossa, sem que nos esqueçamos das lojas físicas, pois, são elas que de fato movem a nossa economia e geram mais de 15 mil empregos diretos.

BN – A CDL já discute essa alternativa?

CARLOS BOTELHOSim. Ainda nos primeiros meses da pandemia iniciamos estudos para viabilizar uma plataforma de marketplace. É algo que deve levar um tempo para ser lançado. Para nós, não adianta agir com imediatismo e sem planejamento, então, a ferramenta deverá levar um tempo para ser apresentada.

BN- Você acredita que o empreendimento com estrutura física  – vai mesmo desaparecer?

CARLOS BOTELHO – De forma alguma. Embora que as novas tecnologias facilitem a relação de compra e venda, elas não farão com que as lojas físicas desapareçam, mas serão aliadas do comerciante.

BN- O que a CDL espera da atual gestão da PMCG no que tange às políticas públicas de apoio e incentivo ao comércio?

CARLOS BOTELHO – A CDL é uma entidade apartidária e como representante do comércio varejista de Campina Grande, procura sempre manter um bom relacionamento com os chefes dos poderes públicos e com as demais entidades classistas. Afinal, todos nós atuamos com o mesmo objetivo: o progresso da nossa cidade. E é assim que esperamos dialogar com a nova gestão.

BN – Neste instante agudo da crise, qual a maior dificuldade enfrentada pelo comércio de Campina?

CARLOS BOTELHO – A nossa maior dificuldade é fazer com que as pessoas entendam a necessidade de se prevenir contra a covid-19. Para que o comércio permaneça aberto em meio a pandemia é necessário que os cuidados básicos sejam seguidos à risca. Os lojistas não podem, em hipótese alguma, relaxarem quanto ao cumprimento dos protocolos de segurança. Se os casos voltarem a subir o comércio poderá fechar e aí, todos nós seremos prejudicados.

BN – A CDL defende também o retorno presencial já nesse semestre das aulas nas escolas e universidades públicas e privadas?

CARLOS BOTELHO – Quando a vacina chegar com mais facilidade à população esse assunto deverá ser amplamente discutido. Por enquanto, o ensino híbrido tem sido mais indicado para o controle da pandemia.

BN – Existe perspectiva de crescimento ou de aquecimento das vendas no comércio de CG a curto prazo?

CARLOS BOTELHO – O primeiro semestre deverá ser mais complicado em função da não realização do carnaval e de possivelmente ficarmos mais um ano sem O Maior São João do Mundo. No entanto, estamos nos preparando para realizamos ativações de vendas que contribuam para o crescimento do comércio campinense. Estamos elaborando alguns projetos e já na próxima terça-feira (26) estaremos nos reunindo com a secretária de desenvolvimento econômico da PMCG, Rosália Lucas, o presidente da Associação Comercial, Antônio Andrade e outros líderes, para discutirmos essas estratégias.

BN – No pós-pandemia como será a nova imagem e o comportamento do mundo empreendedor?

CARLOS BOTELHO – De constante renovação. Quem não se reinventar e não buscar alternativas para fazer seu modelo de negócio prosperar será engolido pelo mercado. Isso independente de pandemia. É necessário estar atento às tendências de cada ano, de cada estação e trazer para dentro da sua empresa o que pode ser aplicado.

BN – A capacitação de empreendedores e comerciários para o trabalho virtual é mais um desafio a ser liderado pela CDL-CG?

CARLOS BOTELHO – Sim! Estamos fechando uma parceria com uma faculdade privada para oferecermos qualificação para empreendedores e colaboradores, pensando obviamente nas lojas híbridas, modelo de negócio que se tornará indispensável para quem trabalha com vendas.

Por Vanildo Silva

Jornalista, editor do BOA NOTÍCIA PB

Deixe um comentário

Preferências de privacidade
Quando você visita nosso site, ele pode armazenar informações por meio de seu navegador de serviços específicos, geralmente na forma de cookies. Aqui você pode alterar suas preferências de privacidade. Observe que o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência em nosso site e nos serviços que oferecemos.